Tipos de papéis mais comuns

1. Offset ou Sulfite:

É um papel não revestido, ou seja, meio poroso, muito usado nos panfletos mais comuns, daqueles impressos em 1 cor apenas e distribuídos a torta e direita por aí. Ele é considerado o papel mais simples, sendo batido em simplicidade apenas pelo papel jornal. É usado em panfletos de rua, miolo de livros, memorandos, receituários, notas fiscais, e quando mais grosso até em fichas e cartões. A principal vantagem é que é o melhor para escrita, pois por ser bem poroso absorve bem a tinta. É também um dos mais baratos. Existe de 50 gr a cerca de 300 gr. Existe em várias cores. As cartolinas estão incluidas neste grupo. Quer entender mais sobre esse papel? Tente esse link aqui: Papel offset ou sulfite!

2. Jornal:

O papel jornal tem as mesmas características do offset, só que é mais fino e “sujo”, com muitas fibras soltas. É usado quase que exclusivamente para jornais, notas fiscais e panfletos vagabundos. Existe aproximadamente de 50 a 70 gr.

3. Couchê:

É o papel comum de maior qualidade. Ele não é poroso como os anteriores,pois leva uma camada vedante em ambas as faces que o deixa impermeável e aparentemente mais fino ( se bem que mais resistente que os anteriores). Hoje é largamente utilizado para fabricação de panfletos e folders, assim como nas principais revistas, capas, cartões de visita e muito mais. Praticamente quase todas as gráficas utilizam este papel por que se tornou sinônimo de qualidade. Existe nas gramaturas aproximadas de 63 gr a 350 gr.

4. Supremo (e similares importados):

É um papel intermediário entre o offset e o couchê. A característica principal é ser mais grosso que o offset de mesma gramatura e ter a parte selante apenas numa das faces. Existem muitas variações segundo a qualidade, seguindo agora da de pior qualidade para a melhor: Duplex (usado em folhinhas – textura de jornal no verso), Triplex (o duplex um pouco melhor- verso branco), Supremo (É o triplex de marca boa- o verso é bem lisinho), Supremo DuoDesign (é uma marca de um papel que leva a parte selante dos dois lados, porém com a mesma “grossura” dos papeis supremos.

5. Reciclado:

Acompanhando a moda ecológica, criou-se um papel que utiliza tanto aparas de papel pós consumo como pré consumo, ou seja, faz-se uma mistura de papel novo com papel usado. O papel é poroso como o papel offset e apresenta uma coloração amarelada típica. É muito usado pelas empresas para apresentar uma “posição ecológica”. Existe basicamente em 3 gramaturas: 90 gr, 120 gr e 250 gr, variando um pouco de acordo com o fabricante. É largamente usado em substituição do papel comum, prospectos e cartões de visita.

6. Papéis especiais:

Para quem quer entender de papel a fundo existem algumas centenas de tipos de papeis em diversas cores. Em qualquer papelaria você encontra pelo menos uma centena. Mas a maioria só é usada em gráfica em serviços especiais atingindo preços altíssimos, pois só vão servir para aquele trabalho específico. Dentre eles podemos citar o Telado, Gofrata, Casca de ovo, Vergê, Opaline, Color Plus, Pólen, dentre outros.

7. Papel Fotográfico

Um papel que surgiu não faz muito tempo é o papel fotográfico. Esse papel foi criado especificamente para as impressoras jato de tinta, procurando melhorar a impressão e hoje são até a prova dágua, ou seja, a impressão adere a superfície resistindo até quando é molhada. No comércio existe esse papel em baixa gramatura (cerca de 90 g) até 300 g, podendo ter a superficie preparada só numa face ou em ambas as faces.

8. Papel Transfer e Sublimático

Alguns papeis foram criados para aplicações específicas. O papel transfer e sublimático se destina a ser transferido para outra superfície pelo calor. O papel transfer posiciona a imagem superficialmente na peça. O Sublimático faz com que a tinta evapore e grude dentro dos poros da superfície. Essa transferencia é feita por calor em equipamentos especialmente feitos para essa finalidade. Quer saber mais sobre o processo leia nossas postagens sobre transfer e sublimação.

Gramaturas mais usadas e seus usos típicos

A – 50 a 63 gr

Tipica de notas fiscas e blocos de orçamento.

B – 75 gr e 90 gr

Usadas na maioria dos timbrados, receituários e em nossas impressoras domésticas. Os panfletos de menor qualidade também são feitos nestas gramaturas, tanto offset quanto couchê. O reciclado também é muito usado respeitando o enfoque ecológico.

C – 120 e 150 gr

Usado principalmente em panfletos. O offset 120 gr quase nunca é usado, a não ser quando se quer um material para escrita.

D – 180 gr

Típico das cartolinas e dos cartões caseiros de menor qualidade. É mais ou menos a maior gramatura que as impressoras domésticas suportam (com raras exceções).

E – 210 a 300 gr

Típica de cartões de visita, folhinas, calendários e capas de livros.

F – Acima de 300 gr

Rara no mercado editorial. Usado mais para cartonagem e serviços especiais.

Referência: Site: http://www.cardquali.com/entendendo-sobre-papel-gramaturas/ - Acesso: 30/05/2016 às 15h49